28 novembro 2008

Uma cobra assanhada


6 de fevereiro de 2005, tudo pronto para sair. A derradeira olhada pra ver se não esqueceu nenhuma coisa ligada, tralha na mão, fecha tudo, aquela última passadela no banheiro e... olha quem a gente encontra no recanto da leitura: uma folgada, e até então desconhecida, cobrinha. Esquece viagem, descarrega tralha, abre porta, pega equipamento, lentes e vamos cobrir o acontecimento, pois esta cobrinha já estava na mira há tempo, pois havia deixado várias roupas dependuradas no telhado do rancho e agora resolveu aparecer. Não tinha melhor horário?
Não tinha e foi a melhor coisa que fizemos, um ensaio de três horas com a nossa ilustre desconhecida.

No começo até ficamos um pouco assustados, afinal, passava do metro o tamanho da bichinha e olha, andava pra tudo quanto é canto, o que será que ela estava querendo por ali? Sabia-se ainda não.

Pegou o rumo da janela do banheiro e subiu para o telhado com tamanha agilidade que ficamos impressionados. Depois vasculhou alguma brecha, queria porque queria, entrar no forro, acreditamos que seria para se esconder da gente, puro engano, pois veio em nossa direção e desceu numa quina da casa até o chão e logo subiu na mesa. Foi quando deu pra ver o quanto era grande a danada. da mesa, fez algumas contorsões, mas não conseguiu se agarrar em nada, voltando para o chão.

Dali subiu no tratador e apontou para a bracaatinga, esforçando-se ao máximo para alcançar algum galho, o que não deu também. Nessa altura dos acontecimentos já havia uma balbúrdia em volta da cobra e da gente, tinha sabiá, coleirinho, canarinho, tia-chica, bentevi, e uma curreca movimentando-se freneticamente para todos os lados. Aí, entendemos o caso. A cobrinha queria porque queria alcançar o ninho da tal curreca que estava instalado dentro de um bambu, num local muito bem protegido, abaixo do beirado da nossa casa. Entendemos tudo, no momento em que ela conseguiu subir na bracaatinga e foi até o galho mais próximo de onde estava o ninho, com filhotes, claro!
Formou-se uma espécie de arena, nós na janela da casa e os pássaros todos em volta da cena, alguns absolutamente compenetrados nos movimentos da curreca que, bravamente, se atirava em cima da cobra, tentando atingir sua cabeça. Mas a cobra, certa do seu poder, nem aí, queria mesmo era lanchar os filhos da curreca.

Desceu mais uma vez ao solo e foi tentar subir por algum vão por baixo da casa. Êpa, peraí, se acha um buraco no assoalho (e tinham alguns) eu não iria gostar nada, nada. Então entrei na briga. Pegamos um cesto e fomos tentar botar a bichinha para dentro, para poder levá-la longe dali. Entrou no cesto, mas saiu ligeirinho, peguei um ancinho para que ela subisse, numa nova tentativa de levá-la dali, aí ela parou, olhou para mim e chacoalhou o rabo feito cascavel. Levantou poeira do chão, estava brava, mais do que nós, certamente, pois estávamos impedindo o seu lanchinho. Recuei, disse está bem, não te cutuco mais, agora deixa a curreca em paz! Qual nada, veio para cima da gente e entramos para dentro de casa, olhando e fotografando, meio amedrontados, pela janela da cozinha. E agora? Já caminhava para baixo da casa novamente, quando de repente, assim, sem mais nem menos, ela dá um pinote, quer dizer, zarpa dali, como um chicote, correndo pela grama a mil por hora e ficamos assim, admirados olhando um para o outro, sem entender mais nada, mesmo!
Não demorou muito, descendo suavemente, como uma fadinha, apareceu um lagartão lambendo os beiços, dono absoluto do pedaço. A curreca voltou a cantar e nós pudemos sair, felizes da vida, com as fotos, o lagarto e a cobrinha, que certamente foi procurar seu lanche em outras paragens, embora tenha deixado outras histórias. Bom, fica para depois.

Um comentário:

Elaine disse...

Hummmm! Que gosto este por peçonhentos e restajantes....
[]s, Elaine (na verdade, adorei as fotos e textos...)
Elaine