04 março 2009

Filhote de Tecelão


Nossa Alegria em ver um filhote nunca foi tão grande!
Durante os dias em que fiquei de campana para fotografar o tecelão do NEWS anterior, a cada instante havia um movimento, algo como uma ajeitada lá dentro, uma mudança de posição e o ninho balançava, mesmo quando não havia vento. A cada meia hora, aprox., a mamãe saía, ficava uns quinze a vinte minutos fora e retornava. Três dias depois da foto anterior, de volta ao meu posto, pois a intenção era fotografar o momento da saída do filhote, a alimentação, tudo enfim, estranhei a imobilidade. Fiquei parado duas horas e, nada! Dias seguidos e nada de movimento.
O que poderia ter acontecido? Tucano, gavião, uma cobra atacou o ninho? Ah, não que sejamos pessimistas, mas deveria ter um tempo onde o filhote ficaria lá dentro, protegido, e seria algo como alguns dias, daria tempo de fotografar, com certeza. O fato era que o ninho estava vazio e nós, preocupados.
Pesquisamos na literatura e na internet sobre o tempo de incubação do Tecelão, hábitos, etc e vimos que é pouco estudado, pois as informações não foram suficientes para entender o que poderia ter ocorrido a esta nova família, além da possível predação.
Dia destes apareceu um filhote de Tecelão meio grandinho para ter saído daquele ninho, mas adotamos a idéia de que pode ter sido de lá, apesar de haver outros ninhos, com certeza. Se você tiver alguma dica sobre os hábitos do nosso filhote, será muito bem vinda!
Este material virou um NEWS que enviei para nosso mailing e daí vieram algumas observações e uma, esclarecedora, do Vitor Piacentini, que está na Colômbia estudando as peles de Phaetornis para seu doutorado, veja só:
O tempo de incubação de um tecelão deve ser algo ao redor de 15 dias. A questão é saber se iniciaste as observações antes da postura ou depois. Uma vez nascidos os filhotes, estes devem ficar no ninho entre duas e três semanas. Se os pais pararam os cuidados com filhotes antes desse período, é porque foram predados ou morreram (chuva? frio? Parasitas?). O fato é que a taxa de sobrevivência de aves na natureza é muito baixa. Em zonas temperadas como os EUA, apenas 52% dos ovos de Turdus migratorius (American Robin) se tornarão filhotes em idade de sair do ninho; 10% apenas chegarão à idade adulta. Em aves tropicais a predação de ninhos tende a ser ainda maior. Assim, ver um filhote sair de um ninho é a exceção e não a regra.

Um comentário:

Atelie Da Lagartixa disse...

Os colibris viajaram na sexta-feira de tarde! foi como carta registrada, qd chegar me avise e se demorar muito avise tb. um abraço e parabéns pelas fotos, são maravilhosas!!
bjs de lagartixa!!!