15 junho 2009

Passarinhos escalam alunos de Alfredo Wagner

Um pássaro na mão pode mostrar o quanto é importante... que ele esteja solto. Mas como? É justamente o contrário do que diz o dito popular: "mais vale um pássaro na mão, etc" só que resolvemos virar tudo de pernas para o ar e mostrar para os alunos da Escola de São Leonardo e do Peti (Programa de Erradicação do Trabalho Infantil) de Alfredo Wagner que passarinho "na mão" é sinônimo de passarinho livre, vivo, voando e feliz.

Passarinho para todo lado
Resolvemos preparar os Cadernos de Campo, que há anos distribuímos aos alunos de São Leonardo, não somente com a foto de um passarinho na capa, como até então fazíamos, mas o aluno também entraria na foto. Começamos com uma brincadeira: ao bater a foto de cada aluno, fazíamos uma pergunta: "se viesse um passarinho voando agora, aqui, neste momento, como você mostraria ele para a câmera?" A criançada levantava o dedo, o ombro, imaginava o passarinho na cabeça, subindo no cabelo, no pescoço, braço... Ah, foi uma folia geral!

A mágica desvendada
Quando estávamos montando as fotos no
Photoshop (programa de computador) foi outra folia! Pois escolhíamos, entre mais de uma centena de passarinhos, aquele que se encaixaria com a expressão da criança, com roupa, cores, movimento, posição... Finalizada esta etapa, levamos tudo para o laboratório, no Kobrasol, que fez as cópias em papel fotográfico, com apoio da Secretaria de Educação de Alfredo Wagner. Tivemos apoio da Gráfica Floriprint, da qual Ricardo Rizzaro é representante, e ganhamos os bloquinhos, confeccionados com sobras de papel.

A festa do Caderno de Campo
O "festerê" maior aconteceu na hora da entrega. Passaram-se umas duas ou três semanas desde que fizemos as fotos e marcamos uma tarde, primeiro na Escola de São Leonardo. No Peti, já foi necessário mais tempo, pois são duas turmas e muito mais crianças. No período da manhã, o frio fez com que alguns alunos não viessem ao Parque e fizemos a entrega no salão interno, pois o vento frio reclamava por aconchêgo. Juntamos os sofás em círculo e passamos um a um os caderninhos, para que todos vissem as montagens. Muita risada, brincadeira, gozação e partimos para o desenho na primeira folha em branco.
Num outro dia, com a turma da tarde, com mais crianças e calor, fomos para fora e fizemos um grande círculo e recebemos a visita de um curioso pica-pau, que resolveu pesquisar numa árvore ao lado, o que deu um tom mágico à entrega dos caderninhos. As crianças aprovaram as montagens, e as professoras, tanto "reclamaram" que também receberam seus Cadernos de Campo com foto-montagem e tudo, provando, assim, que criança não tem idade. Todos levaram o trabalho para casa, para mostrar aos familiares e trazerem de volta, aguardando pela próxima visita, quando iremos observar e desenhar flora e fauna no entorno da escola.

Vamos quebrar a lingua?
Na montagem da foto incluímos o nome da criança, a família de cada ave, assim como nome científico, popular e inglês. O tamanho original do passarinho também estava registrado na fotografia, pois não foi possível manter a escala de cada um. Assim, a criança pôde perceber, quando anunciávamos as medidas originais, a diferença que existia entre um e outro e entre ele e a "sua" ave.
Falar os nomes em outro idioma foi muito engraçado. Alguns não conseguiram pronunciar da primeira vez, mas depois ficou fácil, pois a cada tentativa, uma explicação e tudo ficava claro, até o significado dos nomes em latim e inglês.


Matéria publicada no www.capitaldasnascentes.org.br

Um comentário:

Atelie Da Lagartixa disse...

Adorei isso, as crianças são maravilhosas!!
Essa semana lembrei de vocês, um cliente queria um jardim, aí eu lembrei do jardim das fadas que eu comentei aqui em outra postagem e fiz o jardim encantado inspirado na Reserva, onde coloquei, flores, colibris, formigas, aranhas, borboletas e uma lagartixa(lógico)!!! passa lá para ver!! só não tem o mesmo perfume daí!
bjs da lagartixa